segunda-feira, 26 de outubro de 2009

VENCENDO O PAVOR DA MORTE



Razões pelas quais o cristão não deve temer a morte
II Coríntios 5:1-10

Rev. Gildásio Jesus Barbosa dos Reis (Th.M)

MORTE! Esta palavra causa pânico e pavor em muitas pessoas, pois a idéia de ter que deixar este corpo ainda está em desarmonia com o espírito do homem. Ela é sempre pintada com aspectos horripilantes e amedrontadores, mas nem sempre é assim. No ensino de Jesus, a partida desta vida significa a entrada no céu, a presença e comunhão com Ele.

O apóstolo Paulo, em 2 Co. 5:1-10, apresenta pelo menos quatro razões pelas quais os cristãos não devem temer a morte. Obviamente que a morte não deve ser entendida por nós como prazer ou como uma situação que desperte desejo, mas, que não devemos tê-la como derrota, antes, como uma vitória gloriosa. Vejamos, portanto, estas razões:

1ª RAZÃO: A morte da início a uma morada eterna nos céus e encerra a morada provisória na Terra (VS. 1 E 2).

O apóstolo Paulo usa aqui dois termos que se contrastam. Tabernáculo (tenda) e Edifício. Enquanto o primeiro é usado para descrever uma habitação provisória e temporária, ou seja, hoje ela está aqui e amanhã pode não estar, o segundo é usado para descrever uma habitação permanente, com uma estrutura sólida que não é removível.

Paulo está ciente de que esta tenda (nosso corpo) pode ser facilmente desmanchada, mas, diz ele, que se isso vier a acontecer, temos da parte de Deus em Edifício, uma casa eterna nos céus.

Para o cristão, a morte é a mudança de uma tenda para uma mansão. Na morte, trocamos este casebre que se esmigalha (14:16), que é frágil, para uma casa feita não por mãos humanas, mas eterna nos céus.

O cristão não deve temer a morte porque sabe que um dia, ao deixar esta tenda, vai receber um edifício celestial (corpo ressureto) e eterno, por isso Paulo afirma “...assim fixamos os olhos, não naquilo que se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.” (2 Co 4:18).

A Bíblia diz que somos estrangeiros e peregrinos em Terra estranha. Este mundo não é nosso Lar; nossa Pátria está no céu (Fp 3:20). Quando um cristão morre, entra na presença de Cristo. Ele vai para o céu passar a eternidade com Deus.

2ª RAZÃO: A morte coloca fim a todos os nossos sofrimentos.

No contexto imediato que antecede a esta passagem, Paulo vinha falando de “um corpo que se deteriora”, de “uma leve e momentânea tribulação”(2 Co 4:16,17). Aqui em 5:4 ele diz que “neste tabernáculo gememos e nos angustiamos”.

Para muitas pessoas, a dor vem, os problemas surgem e tiram o sono delas. A doença bate à porta, sem haver sido convidada, agindo como intrusa. A angústia vive rasgando o coração, machucando e destroçando nossas esperanças. Quantas pessoas com os problemas da alma, depressão, vazio, problemas familiares e tantos outros ...

Enquanto aqui, nessa tenda frágil, estamos sujeitos à doenças, aos perigos e dores; na morte adquirimos uma mansão que jamais ruirá. João diz “Então ouvi uma voz do céu dizendo: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem de suas fadigas ... “ (Ap. 14:13).

Graças a Deus que nos dá a vitória por meio de Jesus Cristo (1 Co 15:55-57).

Neste novo céu, “Deus enxugará todas as nossas lágrimas; já não haverá luto, nem dor, nem pranto, porque as primeiras coisas já passaram”. (Ap. 21:4).

O cristão não precisa ter pavor da morte, pois o céu significa que todas as nossas lágrimas deixarão de existir. O céu é um lugar de descanso, diz a Bíblia.

3ª RAZÃO: A morte significa o nosso resgate como propriedade de Deus (V.5)

Paulo afirma aqui no v.5 que o Espírito Santo é o penhor, ou sejam a garantia de Deus, com que Ele se compromete a vir e buscar o seu povo com segurança à herança final.

A palavra “penhor” também aparece em Efésios 1:14, quando também se referindo ao Espírito, diz que ele “é o penhor da nossa herança até o resgate da Sua propriedade ...”

Este termo (penhor) era usado nas transações comerciais antigas e significava “primeira prestação, depósito”. Paulo diz que o Espírito Santo possui o significado de “penhor”, exatamente porque Ele constitui a primeira parte do pagamento do total que será recebido no futuro. Penhor significa dinheiro pago em compras, como garantia de que o total da conta será pago subseqüentemente.

Portanto, diz Paulo que o Espírito Santo é a garantia de que Jesus voltará para resgatar a propriedade que é dele (1 Pe 2:9).
O próprio Senhor Jesus, em João 14:2 e 3 declara: “Na casa de meu Pai há muitas moradas ...e quando eu for e vos preparar um lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também” .

O céu é um lugar e tão logo esteja ele preparado, o seu nome será chamado.’’

Mas um fato: “O campo de batalha estava juncado de cadáveres. O cirurgião já fizera tudo quanto estava ao seu alcance, e agora se sentara por alguns momentos, para descansar. De súbito, alguém disse: “Estou aqui!”.

O cirurgião levantou-se de um salto e correu para o soldado, ajoelhando-se ao lado dele e indagou: “Que posso fazer por você, filho?”.

O soldado abriu os olhos, surpreso e respondeu: “Nada. É que estavam chamando os nomes dos que estão registrados no céu. E acabaram de chamar também o meu nome; então, eu respondi!”

Querido leitor: Está o seu nome registrado no Livro da Vida do Cordeiro?

4ª RAZÃO: o céu significa premiação do que o crente fez em vida (VS. 9:10)

Precisamos deixar bem claro que não se trata de uma salvação por obras. Em Ef. 2:8-9, Paulo deixa bem claro que nenhum ser humano será justificado diante de Deus com base em suas ações.

O que o apóstolo tem em mente quando diz que “cada um receberá segundo o bem ou mal que fez por meio do corpo” é que Deus recompensará aos cristãos que agiram com fidelidade, enquanto os infiéis sofrerão a perda destas recompensas, mas serão salvos, todavia como pelo fogo. (1 Co 3:14,15).

Não sabemos exatamente o que são galardões, porém, sabemos que eles existem, pois Jesus os prometeu aos seus discípulos (Mc. 9:4 e Lc. 6:35).

A palavra grega que Paulo usa aqui para “tribunal” significa “trono para concessão de prêmios”. Há um prêmio que vamos receber quando comparecermos diante de Jesus, e embora não nos sendo revelado o que será, com certeza deve ser algo maravilhoso e surpreendente. Morrer em Cristo é lucro – Fp. 1:21.

CONCLUSÃO Quando Neil Armistrong, em 1969, estava para ir à Lua, passou antes alguns meses treinando, preparando-se, na expectativa de pisar em solo lunar.

Meu amigo, hoje é seu dia , de começar a se preparar para poder pisar, não na Luz, mas no céu. Lembre-se que você só pode ter o céu como uma garantia, se ele lhe for preparado e garantido desde aqui.

Obviamente que não desejamos morrer, mas a morte, sendo inevitável, exige que você esteja preparado para enfrentá-la. Jesus se apresenta hoje a você como o único caminho possível para te conduzir ao céu. Você não precisa temer a morte. Venha hoje mesmo a Jesus e adquira a certeza de pisar no céu, após a sua morte.



Rev. Gildásio Jesus Barbosa Reis
Pastor da Igreja Presbiteriana de Osasco

Um comentário: